Roupas de bebê de 0 a 1 ano: 14 dicas para acertar nas escolhas

Os preparativos para a chegada do bebê são mágicos para a mamãe, não é? Com certeza você adora planejar cada detalhe e estudar as melhores opções para que nada falte e tudo seja perfeito quando sua joia rara vier ao mundo. No entanto, tanta empolgação pode acabar gerando equívocos, principalmente no que diz respeito à escolha das roupas de bebê. Afinal: o que realmente vale a pena comprar?

Synny & Funny - Artigos para Gestantes e Bebê

Cada criança pode ter as próprias necessidades e novas demandas à medida que for crescendo. A quantidade e o tipo de roupa – se mais quente ou mais leve – irá variar conforme os hábitos da família e a estação do ano. Mas algumas dicas gerais podem facilitar bastante a tarefa de compor o enxoval de um recém-nascido.

Por isso, reunimos 14 dicas que vão ajudar você a fazer escolhas conscientes e verdadeiramente úteis para o enxoval do bebê. Confira!

1. Fique atento às estações do ano

Antes de começar o fazer o enxoval do bebê é aconselhável que a mãe calcule em que estação do ano ele irá nascer. Se for no verão, dê prioridade a roupas mais leves – especialmente para quem mora em regiões onde faz muito calor. Se o bebê vai nascer no inverno, invista em peças mais quentes, principalmente as de plush, soft e algodão.

2. Limite as peças de tamanho RN

Não compre roupas demais para o recém-nascido (tamanho RN). A menos que seu filho nasça antes do tempo ou seja muito pequeno, elas serão pouquíssimo usadas: no máximo durante um mês e alguns dias, pois bebês crescem muito rápido.

Os macacões com pés, por exemplo, são opções ótimas, pois mantêm o bebê quentinho. No entanto, são facilmente perdidos com o crescimento.

Para essa etapa, vale limitar a compra de roupas de bebê para o dia a dia em cerca de 6 unidades de cada peça básica, o que inclui body de manga curta e longa, calcinhas ou tapa-fraldas, meias, calças, macacões e macaquinhos. Vale também incluir dois ou três casaquinhos nessa lista.

3. Atenção aos saltos de crescimento

No primeiro ano de vida, é provável que o bebê triplique seu peso, tornando necessário renovar o guarda-roupa a cada três meses, aproximadamente.

O maior ganho de peso e altura ocorre entre o terceiro e o sexto mês. Nesse período, os tamanhos das roupas podem variar conforme o biotipo: algumas crianças podem perder peças com mais facilidade que as outras. Por isso, o ideal é investir em peças versáteis como calças sem pé, conjuntos de duas peças e vestidinhos, por exemplo.

Já entre o nono mês e o primeiro ano de idade, a velocidade de crescimento começa a diminuir e as roupas duram mais tempo. Como é preciso trocar as roupas de um bebê várias vezes ao dia, o ideal é que cada tipo de peça tenha entre 5 e 7 unidades disponíveis, com tamanhos correspondentes para cada fase de 3 meses.

Também não confie completamente nas informações das etiquetas: roupas de bebê que indicam servir para crianças de 3 a 6 meses normalmente são próprias para a idade de 3 meses e não 6.

Com essa perspectiva, procure investir mais nos itens básicos e ir comprando outras peças com o tempo, conforme a necessidade. Assim você também pode aproveitar melhor liquidações e promoções mais interessantes.

4. Conte com os amigos mais próximos, sim!

Amigos e familiares costumam dar muitas roupas e sapatinhos. Para os mais próximos, você pode até indicar o tamanho ou o tipo de roupa de que mais necessita, evitando, assim, o excesso de algumas peças e a ausência de outras.

5. Lembre-se das trocas de roupa frequentes

Se, por um lado, não se deve exagerar no enxoval, por outro, deve-se lembrar que os bebês precisam trocar de roupa várias vezes ao longo do dia, seja por mudança de temperatura, seja porque o xixi vazou da fralda. Às vezes, são feitas até seis trocas ao longo de um dia.

Por isso, a decisão sobre a quantidade de peças depende ainda da rotina da casa. Se existe a possibilidade de lavar as roupas com frequência, o enxoval pode ser mais enxuto. Se as roupas serão lavadas a cada dois ou três dias, providencie um número maior de roupinhas.

6. Toda ocasião é especial para usar roupas de bebê fofas

Com certeza, as roupas de bebê mais basiquinhas e confortáveis serão as mais usadas. Mas sabemos que nenhuma mamãe resiste àquelas peças mais bonitas e cheias de estilo!

Assim, para não gastar além do necessário, tenha apenas dois ou três desses modelos para cada fase e não os deixe guardados no armário — senão você só se lembrará quando já não servirem mais! Considere que, nessa fase da vida, todas as ocasiões são especiais o suficiente, até mesmo um breve passeio no parque ou uma selfie arrasando com a mamãe e o papai!

 

Leia também:

 

7. Conheça macetes para as roupas de bebê durarem mais tempo

Mesmo com a expectativa de perder roupas de bebê, existem alguns hacks que podem ajudar a tornar as peças úteis por mais tempo.  Peça conselhos a outras mamães e sempre terá boas respostas! Alguns exemplos:

  • Para meninas, vestidos com tecidos mais maleáveis e elástico na cintura acompanham o ritmo de crescimento;
  • Para os meninos, camisas de botão podem continuar sendo usadas abertas com camisetinha por baixo. Ainda arrasam no look!
  • Saias, calças, bermudas e shorts são mais úteis se tiverem cós ajustável com elástico, ou botões internos, capazes de expandir a área da cintura.
  • Para meninas, alguns modelos de vestidos, se forem largos, podem ser aproveitados como blusinhas para uso com leggings quando a bebê estiver maiorzinha. Uma peça de vida longa!

8. Escolha as cores certas

Se não for possível conhecer o sexo do bebê por meio dos exames de ultrassom, invista em roupas brancas, amarelas e verdes, consideradas neutras. Mas, mesmo diante da certeza, procure variar: não compre todas as roupas de bebê da mesma cor — tudo rosa ou tudo azul, por exemplo. Além de não enjoar, fica mais fácil reaproveitar no futuro se houver uma nova gravidez e vier um bebê com sexo diferente.

Também vale lembrar a importância de dar preferência às peças de cor mais clarinha: roupas escuras absorvem o calor e podem ser desconfortáveis para os bebês em um passeio ao ar livre, por exemplo.

9. Entenda as variações de temperatura

Frio ou calor? Os bebês são mais sensíveis às mudanças de temperatura. Isso porque, especialmente nos primeiros três meses de vida, a pele deles é mais fininha e pouco resistente, o que dificulta a regulação da temperatura corporal e traz maior propensão à irritações e alergias.

Por isso, a escolha da roupa irá depender do clima, assim como das mudanças térmicas que ele irá enfrentar. Dessa forma, se o dia estiver muito quente e o bebê for ficar em casa ou em lugares que não têm ar condicionado, a mãe pode optar por uma roupa mais leve.

Nos primeiros meses é aconselhável manter os pezinhos sempre protegidos; se eles estiverem muito frios, é hora de reforçar o agasalho. Na hora do passeio, entretanto, saia prevenida: leve roupas de calor, de frio, meias e um cobertor.

10. Previna irritações de pele

Além de interferir na regulação da temperatura, a pele sensível dos bebês é mais suscetível a irritações e alergias. Por isso, é preciso prestar muita atenção aos detalhes das roupinhas, evitando cortes e golas apertadas, enfeites diversos, bordados, apliques, zíperes, ganchinhos e botões nas costas. Fechos com velcro, botões de pressão laterais e nos ombros são preferenciais.

Também sempre verifique as roupas de bebê no avesso: acabamento malfeitos, etiquetas e excesso de adereços são muito incômodos para as crianças. É importante destacar que todas as peças devem ser fáceis de vestir e tirar para evitar o atrito com a pele.

11. Escolha tecidos estratégicos

Também para garantir o conforto das roupas de bebê, alguns tipos de tecido são mais indicados, como as malhas de fibra natural 100% algodão — especialmente o pima cotton, uma versão de algodão peruano muito macio e prático, pois pode ser lavado na máquina e não forma bolinhas.

Já as versões sintéticas bloqueiam a respiração da pele, logo, é bom ficar atento às informações das etiquetas.

Superfícies felpudas, como moletons, lãs e veludos parecem adequadas, mas soltam muitos fiapos, provocam alergias e devem ser evitados. Se for adquiri-las, opte pela lã antialergênica.

Outro tipo de tecido a ser evitado é o linho: apesar de ter fibra natural, é muito áspero e também pode provocar irritações, assim como o jeans.

É importante que esses tecidos muito estruturados sejam dispensados para não limitar o movimento dos bebês quando começarem a engatinhar. Por outro lado, vale a pena apostar em peças mais resistentes para essa fase do desenvolvimento.

12. Roupas de bebê pedem qualidade e segurança

Afinal, o que é uma roupa de bebê de qualidade? Resumindo algumas questões tratadas até aqui e acrescentando o fator segurança, sugerimos o seguinte guia de avaliação:

  • O acabamento interno e externo é bem feito ou pode incomodar?
  • O tecido garante liberdade de movimentos ao bebê?
  • O tecido é antialergênico?
  • O tecido é capaz de resistir a sucessivas lavagens em máquina?
  • Os adereços são seguros? — um botão mal-pregado, por exemplo, pode se desprender e o bebê pode engolir. É importante checar a firmeza de todos eles e reforçá-los, se preciso.
  • Os zíperes, botões e fechos funcionam direitinho?
  • Há algum adereço que possa machucar o bebê?
  • Existem cordões soltos, que podem enroscar em algum lugar e colocar o bebê em risco?

Faça uma revisão minuciosa de todas as roupas de bebê para evitar qualquer surpresa desagradável no futuro e garantir que elas continuem em bom estado em gestações futuras — ou mesmo para serem doadas.

13. Busque a praticidade sempre

Na hora de escolher as roupas de bebê, também é importante considerar como elas podem facilitar a vida da mamãe e manter o bebê confortável sempre.

Jamais compre macacões que não tenham algum tipo de abertura na parte de baixo: já pensou se tiver que desvestir a criança completamente em todas as trocas de fralda? Outra dica é preferir sempre macaquinhos e casaquinhos com fechos frontais ou laterais, evitando passar roupas pelo pescoço.

14. Mais meias, menos sapatinhos

Até o nono mês de vida, é muito difícil fazer com que os bebês fiquem com sapatinhos presos nos pezinhos. Mas, deixá-los descobertos também não é uma boa pedida, por conta da sensibilidade da pele e do frio.  Então, uma boa pedida é comprar meias que imitam sapatinhos. Existem modelos muito criativos que você com certeza vai adorar!

Para montar a lista de enxoval perfeita, confira também outro artigo do nosso blog: Como montar o enxoval do bebê. Se tiver mais alguma dica sobre como escolher roupas de bebê, deixe um comentário e compartilhe para ajudar outras mamães!

Roupas de bebê de 0 a 1 ano: 14 dicas para acertar nas escolhas
Avalie este post