Cha de Bebe Online

O que não comer na gravidez?

Você sabe o que não comer na gravidez? Esse é um período em que diversos hábitos precisam ser mudados para garantir a saúde da mamãe e do seu neném durante a gestação, e uma das mudanças mais características e marcantes é justamente a alimentação.

Neste texto, mostraremos alguns alimentos que devem ser evitados durante a gestação, além de dicas para ter uma alimentação nutritiva durante esse período de maneira prática e saborosa. Vamos lá?

Carnes mal passadas e peixes crus

Muitas mamães podem gostar de um churrasco com carne mal passada ou saborear uma barca de sushi, mas saiba que esses alimentos precisam ser evitados por grávidas. Acontece que o risco desses alimentos conterem listeria é muito alto.

A listeria é um tipo de bacilo que pode ser encontrado nesses tipos de alimentos. Uma das doenças comuns causadas por esse ser é a meningite, mas em grávidas, também pode gerar aborto espontâneo, ou parto prematuro.

Cha de Bebe Online

Uma outra doença causada pela listeria é a cisticercose, um tipo de infecção que afeta diretamente o cérebro, causando problemas no seu funcionamento. O seu tratamento deve ser feito tomando antiparasitários.

Por isso, é preciso evitar ao máximo comer alimentos crus ou mal cozidos, optando por ingerir esses alimentos cozidos corretamente e de locais que prezam pela boa higiene, afinal, contrair uma intoxicação alimentar nesse período pode ser bastante perigoso.

Ovo cru

O ovo cru também precisa ser evitado. Apesar de não ser uma forma muito comum de consumi-lo, muitas pessoas que fazer atividades físicas mais intensas costumam se alimentar de ovos crus para aproveitar as vitaminas presentes no alimento. Entretanto, é preciso ter cautela com essa prática, já que ele pode ter salmonella.

A salmonella é um grupo de bactérias que, ao entrarem no organismo, podem gerar uma série de sintomas desagradáveis, como vômitos, diarreia, febre, e em casos mais graves, pode levar a óbito.

Além do ovo cru em si, também é importante evitar alimentos e molhos que utilizam ovos crus na receita, como a maionese, e molho caesar. Seu preparo com outros ingredientes não elimina a bactéria.

A melhor forma de se consumir ovos durante o período de gestação é cozinhar ou fritar, para garantir que a salmonella seja eliminada pelo calor e a mamãe poderá desfrutar tranquilamente da sua refeição.

Leite não pasteurizado

O leite não pasteurizado também é um alimento que deve ficar fora da alimentação das grávidas, já que ele contém um alto número de bactérias que podem fazer mal ao organismo. Elas podem causar uma série de doenças, como infecções intestinais, mal estar e crises de diarreia.

Caso queira continuar consumindo leite durante esse período, prefira os leites pasteurizados ou UHT, já que eles passam por processos de aquecimento à altas temperaturas, o que elimina as bactérias e torna a bebida mais segura para o consumo.

Uma das bactérias que podem ser encontradas no leite não pasteurizado é a listeria, que também são encontradas em carnes cruas ou mal passadas. Por isso, não poupe esforços para ficar livre das infecções alimentares.

Além disso, é importante se atentar que, mesmo a mamãe não tendo nenhum sintoma ao consumir um “alimento proibido”, o seu bebê poderá ter algum efeito negativo, o que poderá notado em complicações no parto ou após o nascimento.

Frutas e vegetais não lavados

É muito importante sempre lavar as frutas e vegetais antes de serem consumidos crus. Com isso, você evita contrair toxoplasmose, uma infecção causada pelo parasita Toxoplasma e que causa grandes complicações em mulheres grávidas.

Suas consequências vão além dos sintomas na mamãe, mas ela pode surtir em problemas graves para o bebê, como microcefalia, surdez, macrocefalia, alterações motoras graves ou retardo mental.

A toxoplasmose pode ser um pouco mais difícil de ser diagnosticada, já que os seus sintomas são muito parecidos com os da gripe, fazendo com que a mamãe apenas espere com que o vírus seja combatido pelo próprio organismo.

Entretanto, pessoas com baixa imunidade podem apresentar sintomas mais graves, como febre, convulsões, confusão mental, dor de cabeça e convulsões. Em caso de qualquer mudança na sua saúde, mesmo que leve, entre em contato com o seu médico para descobrir qual procedimento tomar.

Queijos maduros

Queijos pastosos (também chamados de maduros) como brie, azul, cottage, ricotta devem ser evitados, já que eles também podem conter a bactéria listeria, já que contam com um algo nível de água em sua composição.

Por isso, o ideal é que sejam preferidos queijos mais secos, que não tenham tanta água em sua composição e que tenham passado pelo processo de pasteurização. Com isso, ele ficará livre de bactérias e impurezas que podem fazer mal para o bebê e para a mamãe.

Outra dica com relação à escolha do queijos é saber qual a sua procedência. Consumir queijos, leite e derivados de locais que não tenham uma boa prática de higiene, como a limpeza dos equipamentos utilizados na fabricação do leite, podem causar sérias consequências para a sua saúde.

Então, o ideal é escolher sempre alimentos vindos de fazendas de confiança, ou de mercados que tenham uma noção básica de higiene e consigam conservar os queijos da melhor maneira possível, evitando a sua contaminação.

Brotos crus

Os brotos crus são alimentos que comumente são proibidos por médicos e nutricionistas durante a gravidez, já que é comum ocorrer surtos de salmonella nesses alimentos, principalmente dentro das suas sementes.

O ideal é que esses alimentos sejam devidamente cozidos antes de serem consumidos. É possível se utilizar de diferentes receitas que utilizem os brotos cozidos, para conseguir uma alimentação gostosa com os alimentos que gosta.

Além disso, também existem diferentes formas de cozimento além da original, como o cozimento a vapor, que mantém os nutrientes dos alimentos  e elimina as bactérias e vírus que podem ocasionar em doenças, além da intoxicação alimentar.

Outra dica para utilizar os brotos na sua alimentação enquanto gestante é adicioná-los em sopas, para que ele seja cozido com outros alimentos e possa ser saboreado em períodos mais frios.

Atum em lata

O atum em lata, por mais que possa ser o desejo de algumas grávidas, deve se evitado durante a gestação. Isso acontece porque esse alimento contém altos níveis de mercúrio, um componente que pode ser danoso para a saúde do neném.

E não é apenas o atum que deve ser evitado: peixe-espada, cavala, garoupa e cação também precisar estar fora das refeições da gestante, já que também contam com o excesso de mercúrio, o que pode afetar o sistema nervoso do pacotinho.

Invista em peixes como sardinha, truta arenque, cavalinha, pescada e o atum de viveiro, já que eles são mais seguros para a saúde do neném e da sua mamãe. E lembre-se: nada de consumi-los mal cozidos.

Sorvete de máquina

Sorvetes de máquina e alimentos embutidos precisam ser evitados pelas grávidas, já que eles também podem conter a bactéria listeria. Um outro problema dos embutidos é que eles são comumente feitos com carne crua, o local perfeito para o ovo da toxoplasmose habitar.

Para diminuir os riscos de se contaminar com os ovos do toxoplasmose é congelar as carnes por 4 ou 5 dias antes de consumi-la, já que eles não resistem a temperaturas muito baixas. Além disso, o ideal é que as carnes sejam cozidas antes do consumo.

Alguns sorvetes podem ter ovo cru em sua composição e por isso, também podem transmitir salmonella para a mamãe e seu neném. Por isso, para espantar o calor, consuma apenas sorvetes comerciais, que são produzidos com alimentos pasteurizados.

De qualquer forma, não é uma boa ideia exagerar no sorvete e outros doces, já que o seu alto teor de açúcar pode fazer mal para a mamãe, já que ela poderá ter diabetes gestacional e precisará fazer um acompanhamento rigoroso dos seus níveis de glicemia.

Café

De acordo com alguns estudos, o café pode ter efeito abortivo, principalmente se tomado em grandes quantidades. Por isso, o ideal é que grávidas consumam, no máximo, até 3 xícaras de café por dia.

Além do café, é preciso se atentar a outros alimentos que contém cafeína em sua composição, como refrigerantes, energéticos, e os chás preto, verde e mate. Procure não consumir diferentes bebidas que tenham cafeína no mesmo dia.

Outros problemas que podem ser causados pelo excesso de cafeína são: diminuição no crescimento do neném, baixo peso ao nascer e prematuridade. Esses efeitos podem surgir porque a cafeína consegue passar pela placenta e chegar até o pequeno, sendo possível encontrar essa substancia no líquido amniótico.

Uma alternativa para as mamães amantes de café é preferir a versão descafeinada da bebida, evitando os riscos que o componente pode causar para a saúde do neném e da mamãe, sem que ela pare de consumir os alimentos que gosta.

Assim, conhecendo alguns dos alimentos que não podem ser consumidos pelas grávidas (ou ingeridos com moderação ou por versões alternativas) você poderá promover maior segurança para o seu bebê, além de manter a sua própria saúde.

Não vê a hora do seu neném nascer? Então que tal começar a fazer o seu chá de bebês agora mesmo? Entre em nosso site e descubra como a nossa plataforma funciona!