Câncer de mama X Gravidez

Câncer de mama X Gravidez: Outubro Rosa

O Outubro Rosa é uma campanha realizada no mundo todo no mês de outubro todos os anos. Para conscientizar as pessoas sobre o diagnóstico precoce do câncer de mama.

O câncer de mama é um tumor maligno que ataca o tecido mamário. De acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) das 11,5 milhões de mamografias que deveriam ter sido realizadas no ano de 2019, apenas 2,7 milhões foram feitas. Por isso todos os anos a campanha busca diversos meios de alertar a sociedade sobre o assunto, para que mais mulheres possam fazer o exame e possam receber o diagnóstico precoce.

Uma mulher que já teve câncer de mama, pode engravidar? Será uma gestação de risco? Como será a amamentação? Essas e outras dúvidas serão respondidas nesse post explicativo sobre Câncer de mama X Gravidez. Boa leitura!

Consulte seu médico

Antes de começarmos queremos deixar claro que esse post nunca irá substituir uma consulta médica. Caso você tenha tido o diagnóstico do câncer de mama e está querendo engravidar ou descobriu que está gravida após ou durante um tratamento contra o câncer, você precisará consultar um médico de sua confiança, para ter todo o acompanhamento necessário. Ele irá analisar seu caso e fazer um acompanhamento personalizado, irá te orientar e te aconselhar da melhor forma possível.

O que devo levar em consideração antes de engravidar?

Se você ainda está fazendo o tratamento e deseja engravidar nesse momento, isso pode ser uma preocupação, já que alguns tratamentos hormonais são contraindicados na gravidez, e nesse caso será preciso suspender esse tratamento. O problema é que alguns desses tratamentos para mulheres com câncer de mama receptor de hormônio positivo, como a terapia hormonal adjuvante por exemplo, é normalmente indicada por 5 a 10 anos após o tratamento. Ou seja, são medicamentos que a mulher deveria tomar por um longo tempo.

Exame câncer de mama

O tratamento pode afetar o bebê?

Alguns tratamentos como quimioterapia, hormonioterapia e terapia alvo,  podem afetar o desenvolvimento do bebê. Por esse motivo o mais indicado e seguro é esperar o tratamento se encerrar para tentar engravidar. Também é importante lembrar que a interrupção precoce do tratamento pode aumentar o risco da doença voltar ou aumentar.

Mulheres que estão realizando acompanhamento com tamoxifeno e que tem tumor receptor de estrógeno positivo, também não devem engravidar durante todo o período de uso do remédio, sob risco de má formação do bebê.

Poderei engravidar após o tratamento?

Estudos comprovam que 30% à 70% das mulheres que passaram pelo tratamento contra o câncer de mama podem ter dificuldades para engravidar. Isso porque alguns tratamentos podem afetar a fertilidade de uma mulher que passou pelo tratamento contra o câncer de mama.

Como a quimioterapia por exemplo, que pode prejudicar os ovários, causando infertilidade em alguns casos. Por isso, antes de iniciar o tratamento, converse com o seu médico sobre seus desejos de engravidar e peça que ele te oriente sobre isso.

Gravidez após câncer de mama

Por outro lado mesmo que possa ser um pouco mais difícil em alguns casos gerar uma vida após o tratamento, uma gestação após o tratamento pode diminuir os riscos do ressurgimento do câncer, conforme mostra um estudo da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO).

Quanto tempo devo esperar?

Muitos médicos recomendam que a mulher espere pelo menos 2 anos após o tratamento contra o câncer de mama, para tentar engravidar. Ou caso ainda esteja fazendo o tratamento, ela pode ser orientada a fazer terapia hormonal por pelo menos 2 anos antes de interromper e tentar engravidar, e continuar o tratamento após o bebê nascer.

Mas esse “prazo”, pode ser maior em alguns casos, já que existem alguns tipos de câncer mais graves que outros, além de alguns fatores como idade por exemplo, que podem afetar diretamente essa fase tentante.

Durante a gestação

Se você descobriu que está grávida durante o tratamento, ou descobriu o câncer de mama durante a gestação – mesmo que apenas 3% dos diagnósticos sejam feitos durante a gestação – você terá que trabalhar muito seu psicológico para essa nova fase de sua vida, além de ter um acompanhamento mais regrado com um especialista.

Gestação

Para as mulheres que descobriram o câncer de mama durante a gestação, a maior preocupação é em saber como seu bebê irá evoluir, e as possíveis complicações que o tratamento pode trazer para o seu pacotinho. Por isso, quanto mais cedo receber diagnostico, melhor será para que você possa ter um melhor acompanhamento, com um profissional que poderá te orientar sobre os melhores procedimentos para o seu caso.

O câncer de mama e o desenvolvimento do bebê

Atualmente não existem evidências de que o câncer possa afetar de alguma forma o desenvolvimento do bebê, isso significa também que o câncer não pode ser passado de nenhuma forma para o neném na barriga da mamãe.

Como falamos anteriormente, o tratamento contra o câncer de mama durante a gestação pode ser preocupante, como a radioterapia por exemplo, que não poderá ser aplicada em nenhum momento da gravidez.

Tratamento contra o câncer de mama

No entanto, isso não significa que não há possibilidade de tratamento. Em algumas situações, seu médico pode indicar a mastectomia como alternativa, já que ela não é ofensiva ao bebê. Por outro lado, isso te impedirá de amamentar. Por isso é importante você conversar muito com seu médico sobre todos os tratamentos possíveis para o momento ou tratamentos para depois do nascimento do neném, e escolher o que for melhor para você e seu bebê.

Se informe

Assim que a gestante descobre o câncer de mama é preciso que ela se informe o máximo que conseguir à respeito do câncer. Pois hoje em dia existem muitas noticias fakes, principalmente sobre tratamentos malucos feitos em casa, por isso se informe com profissionais da área que poderão te orientar e responder todas as suas dúvidas sobre os tratamentos, precauções, o que fazer, o que não fazer, e etc.

Amamentação

Alguns estudos mostram que mulheres que passaram por alguns tratamentos contra o câncer de mama, podem ter uma redução na produção de leite, além de poder tornar o aleitamento materno um pouco mais doloroso para a mãe. Já mamães que passaram pela mastectomia – que é a retirada completa da mama – não poderão amamentar.

Amamentação

Caso você tenha que continuar tomando medicamento para tratar o câncer, você terá que conversar com seu médico sobre essa fase da amamentação, já que alguns medicamentos podem afetar o bebê através do leite.

Lembre-se: Cuide-se sempre! O diagnóstico precoce é fundamental, e durante a gravidez o cuidado com as mamas não pode ser esquecido nunca. Caso observe alguma alteração nas mama, informe seu obstetra ou ginecologista.

Se você está passando por algum tratamento contra o câncer de mama, ou já encerrou seu tratamento, não se desencoraje ao desejar engravidar. Hoje em dia você pode ter um bom acompanhamento durante todo esse período. Se informe e siga as orientações do seu médico.

Gostou do post? Então compartilhe ele com a sua amiga que está passando por isso. Caso você tenha passado por isso, nos conte como foi sua experiência estando com o câncer de mama durante á gestação. CLIQUE AQUI!